Park Güell

Park Güell, Barcelona

Uma das obras mais conhecidas e belas do arquiteto modernista Antoni Gaudí é, curiosamente, o resultado de um fracasso urbanístico. Eusebi Güell, rico empresário e mecenas de Gaudí, para quem já havia construído o Palau Güell, encomendou ao artista a criação de um grande projeto imobiliário, localizado em um terreno de 15 hectares no bairro de Gràcia, na época um município independente de Barcelona.

Park Güell, Barcelona

O projeto previa a construção de 40 casas unifamiliares em meio a natureza, um retiro bucólico pensado para o descanso de umas poucas famílias seletas e endinheiradas. O projeto pretendia criar uma espécie de cidade-jardim em estilo inglês, fato que justifica a grafia de Park com “k”, como parque em inglês.

No entanto, o interesse pelo projeto foi quase nulo, e unicamente duas casas foram construídas, uma das quais foi ocupada por Gaudí (hoje é a Casa Museu Gaudí). Depois do rotundo fracasso na época, foi declarado Patrimônio Mundial da Humanidade pela UNESCO, em 1984.

Park Güell, Barcelona

Em 1900, Gaudí começou a trabalhar no projeto de criação dessa cidade-jardim numa porção de mata localizada na parte alta de Barcelona. Quando o projeto de construção dessa pequena cidade foi abandonado em 1914, apenas duas casas tinham sido construídas, além de áreas comuns. Entre essas áreas destacam-se os dois pavilhões na entrada do parque, a escadaria e sua emblemática salamandra, a sala hipostila que sustenta a praça central, emoldurada por seu serpenteante banco. Todos os caminhos que percorrem o parque também foram feitos e o projeto de capela, no ponto mais alto do parque, deu lugar ao Turó de les Tres Creus (calvário das três cruzes).

Em 1918, os herdeiros de Güell venderam o terreno para a Prefeitura de Barcelona, que decidiu convertê-lo em um novo parque para a cidade.

Park Güell, Barcelona

A porta principal de entrada ao parque se abre entre um muro de tijolos decorado com mosaicos. Os pavilhões ao redor da entrada estão inspirados no conto de “Hansel e Gretel”, e foram construídos para abrigar a portaria, administração e setor de manutenção da cidade-jardim. O pavilhão da esquerda seria a casa das crianças, Hansel e Gretel. Hoje está ocupado por uma livraria e lojinha de lembranças. A casa da direita, coroada por uma decoração que lembra um cogumelo venenoso, seria a casa da bruxa. Era a antiga casa do zelador do parque e hoje é a sede do MUHBA Park Güell (veja mais informações em MUHBA (Museu d’Història de Barcelona)).

Park Güell, Barcelona

Dividindo a escada central em duas partes, encontram-se três fontes com grupos escultóricos.

Park Güell, Barcelona

Na última fonte está um dos ícones mais conhecidos de Barcelona, a famosa salamandra (também chamada de dragão) multicolorida, recoberta com trencadís: trabalho feito com os fragmentos de cerâmica esmaltada, que se transformou em uma das marcas registradas de Gaudí.

Park Güell, Barcelona

O banco que coroa a escada tem forma de odeão (pequeno anfiteatro grego) e conta com a particularidade de permitir que se tome sol no inverno e dê sombra no verão.

Park Güell, Barcelona

Na parte superior da escada encontra-se a sala hipostila, local que ocuparia o mercado do condomínio no projeto original.

Park Güell, Barcelona

Na sala erguem-se 86 colunas, sustentando um teto ondulante de mosaico, com decorações de Josep Maria Jujol, um dos colaboradores de Gaudí.

Park Güell, Barcelona

Jujol também elaborou quatro grandes rosetas, que representam as quatro estações do ano.

Park Güell, Barcelona

Em ambos os lados da sala hipostila encontram-se as escadas que levam o visitante até a grande praça do Park Güell. A característica mais marcante dessa praça é o maravilhoso banco serpenteante que a rodea.

Park Güell, Barcelona
Park Güell, Barcelona

No banco, revestido com a técnica do trencadís, misturam-se infinitas cores e formas.

Park Güell, Barcelona

Park Güell, BarcelonaPark Güell, Barcelona
Park Güell, BarcelonaPark Güell, Barcelona

Para superar os desníveis do terreno dentro do parque, Gaudí criou um sistema de pontes e viadutos suportados por colunas torcidas. Tanto as pontes quanto os viadutos foram projetados para comportar a passagem de carruagens.

Park Güell, Barcelona

Passeando pela parte inferior do Viaduto do Algorrobo é como estar dentro de uma grande onda num mar de pedras.

Park Güell, Barcelona
Park Güell, Barcelona

Ao percorrer os caminhos que levam a parte mais alta do parque, a vista da cidade de Barcelona vai se tornando mais espetacular a cada instante.

Park Güell, Barcelona

Na parte mais elevada do parque existem dois mirantes. Na esquerda, está o “calvario”, formado por três cruzes e localizado no lugar onde Gaudí planejava construir uma capela.

Park Güell, Barcelona

Na direita do parque, próximo do bairro de El Carmel, encontra-se um outro mirante com vistas lindíssimas de Barcelona. Os dois mirantes estão marcados no mapa do parque que preparamos para você.

Park Güell, Barcelona

Mapa do parque


Ver Park Güell em um mapa maior

Visita

Park Güell

A zona monumental do Park Güell abre todos os dias do ano.

  • do 30 de outubro até o 26 de março abre de 8:30h a 18:15h
  • do 27 de março até o 1 de maio abre de 8:00h a 20:30h
  • do 2 de maio até o 28 de agosto abre de 8:00h a 21:30h
  • do 29 de agosto até o 29 de outubro abre de 8:00h a 20:30h

Sugerimos que confirme os horários atualizados na página oficial do Park Güell.

O acesso à zona monumental do parque é paga, com um ingresso com custo de 8€, com desconto de 1€ para quem comprar antecipadamente pela internet. Há um limite do número simultâneo de turistas no parque. Veja mais informações no texto sobre como comprar ingressos para o Park Güell.

Quanto tempo demora a visita ao Park Güell?

É impossível dar uma estimativa universal, sendo que diferentes pessoas, com distintos interesses e velocidades para apreciar o que cada destino pode oferecer, podem discrepar bastante no tempo dedicado a cada lugar.

No caso do Park Güell, é necessário diferenciar entre a zona monumental do parque (paga) e a zona aberta do parque. Para percorrer a zona monumental serão necessários entre 30 minutos (para os muito apressados) e uma hora e meia (para os mais calmos). Já para visitar a parte aberta do parque, calcule entre 30 minutos (para os muito apressados) e uma hora e meia (se você for subir nos ótimos mirantes e ficar por lá contemplando a cidade).

Como chegar

A entrada principal ao Park Güell está no carrer d´Olot, no bairro de La Salut, na parte mais alta do distrito de Gràcia. Veja aqui a localização no mapa.

Existem duas alternativas para chegar ao parque:

  • de metrô. Pegue a linha 3 (verde) no sentido Trinitat Nova e desça na estação Vallcarca. Saindo da estação, siga a sinalização que indica o caminho até o Park Güell. Para chegar no parque é preciso superar um desnível considerável. Para ajudar um pouco nessa tarefa, existem escadas rolantes na rua.
    Park Güell, Barcelona
  • de ônibus. Pegue a linha 24 ou a linha 92. Nos links você encontrará um plano, em PDF, com o roteiro da linha de ônibus. Tente fazer baldeação entre metrô e ônibus para chegar no parque. Chegando de ônibus, a entrada no parque é feita pela carretera del Carmel (está identificada no mapa com o símbolo de um ônibus).
    Existe também a possibilidade de utilizar a linha 116. É um ônibus de bairro, de pequeno tamanho e que faz um percurso curto. Pode ser pego do lado da estação de metrô Joanic, na linha 4 (amarela). O ônibus tem um ponto bem na frente da entrada principal do Park Güell. Na saída do parque, a linha 116 pode ser usada para chegar até a estação Lesseps da linha 3 (verde) do metrô.

app oficial do parque

Se você estiver viajando com um smartphone, não deixe de fazer o download da app oficial do parque. É gratuita! Veja mais detalhes aqui.

Dica do passaporte BCN

Particularmente, achamos que o Park Güell é um dos lugares mais lindos de Barcelona. Mas já lemos relatos (poucos) de pessoas que o visitaram e saíram desiludidas. Não vá até o parque esperando encontrar um parque de diversões ou até um parque infantil. O Park Güell é o resultado de uma genial proposta urbanística inacabada, visando a harmonia com a natureza. É um lugar para passear, descansar, aguçar o olhar e sentir-se maravilhado com as ideias vanguardistas de Gaudi.

31 mar2017
Denise

Olá Tony!! Estou encantada com o PassaporteBCN, tem tudo?? Parabéns!!!Pretendo fazer Sagrada e PArc Guell no mesmo dia, 16/04-Domingo de Páscoa. Você sabe se tem alguma programação diferente por ser páscoa?
Qual o melhor horário para visitar a Sagrada Familia pela manhã?
Existem restaurantes por perto?
Qual o melhor horário para ir pro Parc Guell?
Atenciosamente

    2 abr2017
    Tony

    Prezada Denise, seja bem-vinda ao passaporte BCN! No presente texto respondemos dúvidas sobre o Park Güell. Qualquer horário do dia é bom para visitar o parque, tudo vai depender do que você estiver programando para fazer durante o restante do dia. Como o parque fica fora de mão, na parte alta de Barcelona, às vezes é uma boa escolha visitá-lo, ou no começo da manhã, ou no começo da tarde.
    Deixe suas consultas sobre a Sagrada Família no texto Sagrada Família. Abraço.

      4 abr2017
      Denise

      Muito obrigada, Tony!! E desculpe pela pergunta no lugar errado… é a ansiedade da viagem !!!

9 abr2017
Layla

Boa tarde Tony!

Você acha que vale a pena fazer a zona monumental do parque? Estou indo em junho com 2 criancas de 8 e 12 anos.

Grata

    10 abr2017
    Tony

    Bom dia, Layla, a parte monumental contém a coleção mais valiosa de arquitetura modernista do parque. A decissão sobre visitá-la ou não vai depender dos seus interesses. Abraço.

22 abr2017
Adriane Ribeiro

Olá, Tony
comprei as entradas do Park Guell e da Sagrada Familia para o mesmo dia, portando irei da Sagrada Família direto para o Park Guell, há uma forma de chegar que você aconselha? Taxi, metrô ou ônibus? Obrigada!

Deixe seu comentário!