Tag: Passeig de Gràcia

La Pedrera (Casa Milà)

La Pedrera / Casa Milà, Barcelona

La Pedrera (a “canteira”), também conhecida como Casa Milà, é uma das obras mais importantes do genial Antoni Gaudí. Foi também a última casa residencial construída por Gaudí, que dedicou os últimos anos da sua vida ao projeto e construção da Sagrada Família.

Em 1906, um pequeno edifício de 3 andares foi demolido e deu lugar a La Pedrera. Uma obra encomendada por Pere Milà, um jovem endinheirado casado com uma rica viúva, ao renomado Gaudí. Milà queria uma casa que deixasse Barcelona de queixo caído e que ofuscasse as famosas vizinhas do Passeig de Gràcia: a Casa Amatller, a Casa Batlló e a Casa Lleó Morera.

Gaudí, que recebeu um orçamento ilimitado para a obra, ficou empolgado. O resultado do seu trabalho foi uma grande escultura abstrata, onde triunfam as linhas curvas e formas orgânicas.

Após a inauguração, a obra foi motivo de chacota generalizada. Sua modernidade não foi compreendida e o próprio apelido de La Pedrera, dado à casa logo depois de inaugurada, revelou o desprezo pela mesma.

Era um projeto muito à frente de sua época e só com o passar do tempo foi reconhecido seu autêntico valor. Por sua importância para a história da arte e da arquitetura, a Casa Milà foi declarada Patrimônio da Humanidade pela UNESCO, em 1984. Curiosamente nessa época a Casa apresentava um aspecto terrível, com um bingo no andar principal e lojas que descaracterizavam a arquitetura original.

O exterior

La Pedrera / Casa Milà, Barcelona

A Casa Milà tem três fachadas, uma delas situada no Passeig de Gràcia, outra voltada para a rua Provença e a última, em forma de chaflán, na esquina entre as outras duas fachadas. O projeto de Gaudí unificou as fachadas como se fossem uma só, com suas formas onduladas que se assemelham a uma rocha açoitada pelas ondas do mar.

La Pedrera / Casa Milà, Barcelona

A fachada da Casa Milà está coberta com pedra calcária, com 33 balcões decorados em ferro forjado com formas que se assemelham a algas marinhas.

La Pedrera / Casa Milà, Barcelona

É muito interessante contemplar a fachada da Casa Milà em diferentes horários do dia e notar como a luz pode mudar a aparência e cor dessa maravilhosa obra.

O interior

La Pedrera / Casa Milà, Barcelona

O andar térreo da Casa Milà tem dois acessos com halls de entrada separados e conectados com dois pátios. As portas de entrada combinam ferro forjado e vidro, com representações em formas orgânicas.

La Pedrera / Casa Milà, Barcelona
La Pedrera / Casa Milà, Barcelona

A decoração com pinturas murais é um dos elementos mais destacados das entradas.

La Pedrera / Casa Milà, Barcelona
La Pedrera / Casa Milà, Barcelona

Os apartamentos estão distribuídos ao redor dos dois pátios internos que garantem a iluminação e a ventilação.

La Pedrera / Casa Milà, Barcelona

É muito interessante saber que Gaudí desenhou os apartamentos de maneira que os proprietários pudessem redistribuir os espaços internos da forma mais conveniente para cada um deles. As paredes não têm uma função de sustentação estrutural do prédio e por isso podem ser realocadas. Não há dois apartamentos iguais.

La Pedrera / Casa Milà, Barcelona

El Piso de la Pedrera

La Pedrera / Casa Milà, Barcelona

A visita a La Pedrera inclui também um tour pelo “El Piso de la Pedrera”, uma verdadeira viagem ao passado feita através de um apartamento decorado e ambientado como se estivesse ocupado por um antigo morador do edifício.

La Pedrera / Casa Milà, Barcelona

O espaço visitado representa a reconstrução de um apartamento da época.

El Espai Gaudí

La Pedrera / Casa Milà, Barcelona

O sótão da casa era o lugar onde estavam os tanques e espaço para lavar roupa. Hoje apresenta seu aspecto original, com abóbadas realizadas com tijolos.

La Pedrera / Casa Milà, Barcelona

Atualmente o sótão é um espaço destinado a apresentar a obra de Antoni Gaudí, através de desenhos, maquetes, fotografias e apresentações audiovisuais.

La Pedrera / Casa Milà, Barcelona

O terraço

La Pedrera / Casa Milà, Barcelona

O poeta catalão Pere Gimferrer descreveu o terraço da Casa Milà como o “jardim dos guerreiros”, e não é difícil entender rapidamente a razão. As chaminés de ventilação concebidas por Gaudi parecem guerreiros, com a cabeça adornada por capacetes.

La Pedrera / Casa Milà, Barcelona

O terraço é um autêntico jardim de esculturas.

La Pedrera / Casa Milà, Barcelona

É um espaço fantástico, com suas diferentes partes conectadas por escadas e passadiços, que acompanham o desnível provocado pelo desenho do teto do sótão.

La Pedrera / Casa Milà, Barcelona

Gaudí utilizou diferentes soluções para as 30 chaminés, as duas torres de ventilação e as 6 saídas das escadas que existem no terraço.

La Pedrera / Casa Milà, Barcelona

Uma das marcas mais características de sua obra, o trencadís (fragmentos de cerâmica esmaltada formando um mosaico), também está presente no terraço.

La Pedrera / Casa Milà, Barcelona

Visita

La Pedrera foi propriedade da Caixa Catalunya, que comprou o prédio em 1986 e fez uma linda restauração. Hoje La Pedrera pertence à Fundació Catalunya-La Pedrera, responsável pelas visitas ao prédio.

La Pedrera abre para visitação todos os dias do ano, com exceção do Natal.

O site oficial de La Pedrera tem informações muito interessantes para quem quer visitar o prédio, além de dados detalhados sobre horários e preços.

Além da visita convencional, La Pedrera oferece também mais dois tipos de visita:

  • El Despertar de La Pedrera, uma vista guiada feita no começo do dia, às 8 horas, antes do horário de visitação normal da casa. A visita guiada inclui um percurso pelos lugares mais importantes da Casa e também por espaços que não são visitados habitualmente. Inclui também um café ou uma bebida no Café de La Pedrera no final da visita. Para mais informações consulte aqui.
  • La Pedrera Secreta, uma vista feita no final do dia e tem um preço mais elevado. Para mais informações consulte aqui.

Ingressos

[veja mais informações no novo texto como comprar ingressos para La Pedrera]

ingresso

Indicamos a compra dos ingressos para La Pedrera na Visit Barcelona Tickets, a loja oficial de turismo da cidade de Barcelona, parceira do passaporte BCN. Saiba mais sobre ela aqui.

Os ingressos comprados na Visit Barcelona Tickets contam com uma grande vantagem, permitem furar a fila da bilheteria em La Pedrera. Com o voucher que você vai receber na sua caixa postal, deve ir até a fila rápida para quem comprou os ingressos online.

Na Visit Barcelona Tickets você compra seus ingressos para La Pedrera aqui.

Como chegar

La Pedrera encontra-se no número 261-265 do carrer Provença, esquina com o Passeig de Gràcia. Veja aqui a localização no mapa. A estação de metrô mais próxima é a Diagonal nas linhas 3 (verde) e 5 (azul).

Dica do passaporte BCN

Se seu orçamento permitir, não deixe de visitar também a Casa Batlló, a outra magnífica obra de Antoni Gaudí no mesmo Passeig de Gràcia. Veja também nosso texto Casa Batlló ou La Pedrera, qual escolher?

E se sua programação permitir, suba no terraço no final da tarde, quando é incrivelmente lindo ver o sol se pôr e o terraço se iluminar.

Outros textos de interesse: compra antecipada de ingressos para as atrações de Barcelona | atrações imperdíveis de Barcelona | top 5: modernismo em Barcelona | top 5: a Barcelona de Gaudí

[pinit count="horizontal"]

Casa Lleó Morera

Casa Lleó Morera, Barcelona

Em 1902, a família Lleó Morera contratou o arquiteto modernista Domènech i Montaner para a obra de reforma de sua casa, que tinha sido construída em 1864. A família Lleó Morera tinha comprado o imóvel e, como tantas outras famílias endinheiradas da burguesia catalã, queria um lugar muito especial para morar.

Casa Lleó Morera, Barcelona

Para superar a incrível concorrência das casas vizinhas, o arquiteto reuniou um grande número de artistas e artesãos, com a finalidade de criar uma obra de suprema qualidade e beleza. A conclusão da reforma foi por volta de 1905.

Casa Lleó Morera, Barcelona

Várias partes da estrutura da casa foram afetadas durante a Guerra Civil Espanhola. O templete, que está na parte superior da casa, foi seriamente danificado, passando por restauro em 1992. O andar térreo foi praticamente destruído, a partir de 1943, quando foi alugado para abrigar uma loja de luxo.

Casa Lleó Morera, Barcelona

Observe a parte externa do edifício e os detalhes com motivos florais no andar térreo, que lembram uma das obras mais importantes do arquiteto, o Palau de la Música Catalana.

Casa Lleó Morera, Barcelona
Casa Lleó Morera, Barcelona
Casa Lleó Morera, Barcelona
Casa Lleó Morera, Barcelona

O interior da casa, aberto à visitação em janeiro de 2014, apresenta uma das amostras mais ricas das artes aplicadas no estilo modernista. Porém, a mobília encontra-se no MNAC (Museu Nacional d’Art de Catalunya).

Casa Lleó Morera no MNAC, Barcelona

La manzana de la discordia

Manzana de la Discordia, Barcelona

“Manzana de la discordia”, expressão que faz referência à mitologia grega, aplica-se ao trecho do Passeig de Gràcia, compreendido entre o carrer d’Aragó e o carrer del Consell de Cent.

“Manzana”, que em espanhol significa tanto maçã como quarteirão, lembra a maçã dourada da discórdia e refere-se ao trecho onde três casas modernistas e seus respectivos autores competiram entre si pelo título de a mais bela. Essas casas foram realizadas pelos três arquitetos mais importantes do modernismo catalão: a Casa Lleó Morera de Domènech i Montaner, a Casa Amatller, de Puig i Cadafalch, e a Casa Batlló de Antoni Gaudí.

A grande rivalidade profissional e as propostas arquitetônicas, para esse trecho do Passeig de Gràcia, estabeleceram uma relação com o mito do “Pomo da Discórdia” e foram objeto de comentários e críticas na época.

Visita

A Casa Lleó Morera abriu as portas à visitação etre 2014-2016, fechando posterioremente as portas. Não há previsão de quando a Casa poderá voltar a ser visitada.

Como chegar

A Casa Lleó Morera encontra-se no número 35 do Passeig de Gràcia. Veja aqui a localização no mapa. A estação de metrô mais próxima é a Passeig de Gràcia nas linhas 2 (lilás), 3 (verde) e 4 (amarela).

Dica do passaporte BCN

Se você gosta do estilo do Domènech i Montaner não pode perder o Palau de la Música Catalana.

[pinit count="horizontal"]

Casa Fuster

Casa Fuster, Barcelona

A Casa Fuster foi a última obra que o arquiteto modernista Domènech i Montaner realizou em Barcelona. Construída entre 1908-1911, foi um presente faraônico de Mariano Fuster a sua mulher Consol Fabra. Pelos materiais empregados na obra, é considerado um dos edifícios mais caros da cidade. Suas linhas tendem mais ao estilo neogótico, com traços de um modernismo bastante contido.

Casa Fuster, Barcelona

No andar térreo da construção funcionou, durante muito tempo, o Café Vienès, um verdadeiro ponto de encontro na cidade. Em 2004, após 4 anos de reformas e adequações, o edifício foi transformado em um hotel de luxo, o Casa Fuster. O café foi reaberto e funciona de 9:00h até 1:00h da madrugada, apresentando uma interessante programação de jazz ao vivo.

Pensar que por volta de 1962, o prédio quase foi derrubado para a construção de um bloco de escritórios. Um protesto popular preservou este tesouro modernista. Vale a pena entrar para conhecer o espaço desenhado por Domènech i Montaner.

Como chegar

A Casa Fuster encontra-se no número 132 do Passeig de Gràcia, na parte do passeio que fica já no bairro de Gràcia. Veja aqui a localização no mapa. A estação de metrô mais próxima é a Diagonal nas linha 3 (verde) e 5 (azul).

Dica do passaporte BCN

É fácil dar uma passada rápida para conhecer a Casa Fuster em qualquer roteiro entre o bairro de Gràcia e o Eixample.

Não muito longe da Casa Fuster estão outras casas modernistas muito interessantes, incluindo La Pedrera (Casa Milá), o Palau Baró de Quadras, a Casa Comalat, a Casa Serra e a Casa Terrades (Casa de les Punxes).

[pinit count="horizontal"]

Casa Batlló

Casa Batlló, Barcelona

A Casa Batlló é uma das obras mais importantes e impressionantes do genial Antoni Gaudí, refletindo o periodo de plenitude criativa do artista. A casa também é conhecida popularmente como a “casa de las máscaras” ou a “casa de los huesos” (ossos) pela semelhança de alguns elementos decorativos da fachada com máscaras e ossos.

Casa Batlló, Barcelona

Pela sua importância para a história da arte e da arquitetura, foi declarada, em 2005, Patrimônio Mundial da Humanidade pela UNESCO.

Sua história começou em 1903, quando Josep Batlló, um rico empresário da área têxtil, comprou o prédio, situado no Passeig de Gràcia, no coração da Barcelona modernista. A construção do edifício data de 1877, numa época em que não havia luz elétrica em Barcelona. Batlló encomendou a remodelação quase que total do prédio a Antoni Gaudí, que na época já era um arquiteto famoso.

No trabalho de reforma do prédio, Gaudí contou com a colaboração dos seus ajudantes habituais e de um seleto grupo de artesãos da época. Essa mão de obra de primeira ordem contribuiu para que o resultado final se convertesse em um trabalho com desenho extraordinário. A obra foi completada entre 1904 e 1906 e Batlló ficou tão contente com o trabalho realizado por Gaudí, que o indicou para a construção de La Pedrera, de seu amigo Pere Milà i Camps.

O exterior

Casa Batlló, Barcelona

O trabalho de Gaudí reflete um estilo muito pessoal, que busca inspiração em formas orgânicas da natureza. Gaudí criou uma nova fachada, com muros ondulados, sobre os quais colocou seu característico trencadís (fragmentos de cerâmica e vidros quebrados), acrescentando um maravilhoso colorido e relevos à fachada principal. Admirar o prédio, a partir da calçada, é como ver um enorme quadro impressionista, onde é possível imaginar a superfície do mar, brincando com os reflexos da luz do sol.

Casa Batlló, Barcelona

O grande balcão do primeiro andar, feito com pedra arenosa, possibilita uma visão interna do salão.

Casa Batlló, Barcelona

Os outros andares, com balcões decorados com ferro fundido em forma de máscaras, retribuem os inúmeros olhares que são lançados pelos espectadores.

Casa Batlló, Barcelona

No alto do prédio, a torre coroada com uma cruz de quatro braços lembra a espada de Sant Jordi atravessando o corpo do dragão, uma referência a São Jorge, padroeiro da Catalunha. Essa é uma das interpretações dadas para a fachada da casa Batlló, onde as colunas em forma de ossos e as janelas que lembram caveiras simbolizariam as vítimas do dragão, antes de ser morto por São Jorge.

Casa Batlló, Barcelona

A parte superior do telhado assemelha-se ao dorso de um réptil (seria um dragão?) e suas escamas. O dorso do dragão equilibra esteticamente quatro grupos de sinuosas chaminés situadas no terraço da casa.

Casa Batlló, Barcelona

Outra interpretação mais amena da obra de Gaudí está relacionada ao Carnaval, onde os detalhes de mosaicos e cerâmicas representariam confetes, no teto estaria o chapéu de arlequim e nas janelas as máscaras de carnaval.

Casa Batlló, Barcelona
Casa Batlló, Barcelona

O interior

Casa Batlló, Barcelona

Se a fachada e as partes externas da Casa Batlló deixam qualquer um boquiaberto, o interior não fica atrás, apresentando surpresas a cada passo.

Casa Batlló, Barcelona

Entrando na casa, há uma escada que leva até o salão principal.

Casa Batlló, Barcelona

Dali até o terraço do prédio é um desenrolar constante de maravilhas.

Casa Batlló, Barcelona

Preste atenção aos detalhes, às cores, às formas, aos espaços, à luz.

Mais fotos

Pode ver nossa coleção completa de fotografias da Casa Batlló aqui. Veja uma amostra a continuação.

Casa Batlló, BarcelonaCasa Batlló, BarcelonaCasa Batlló, BarcelonaCasa Batlló, Barcelona
Casa Batlló, BarcelonaCasa Batlló, BarcelonaCasa Batlló, BarcelonaCasa Batlló, Barcelona
Casa Batlló, BarcelonaCasa Batlló, BarcelonaCasa Batlló, BarcelonaCasa Batlló, Barcelona

La manzana de la discordia

Manzana de la Discordia, Barcelona

“Manzana de la discordia”, expressão que faz referência à mitologia grega, aplica-se ao trecho do Passeig de Gràcia, compreendido entre o carrer d’Aragó e o carrer del Consell de Cent.

“Manzana”, que em espanhol significa tanto maçã como quarteirão, lembra a maçã dourada da discórdia e refere-se ao trecho onde três casas modernistas e seus respectivos autores competiram entre si pelo título de a mais bela. Essas casas foram realizadas pelos três arquitetos mais importantes do modernismo catalão: a Casa Lleó Morera de Domènech i Montaner, a Casa Amatller, de Puig i Cadafalch, e a Casa Batlló de Antoni Gaudí

A grande rivalidade profissional e as propostas arquitetônicas, para esse trecho do Passeig de Gràcia, estabeleceram uma relação com o mito do “Pomo da Discórdia” e foram objeto de comentários e críticas na época.

Visita

A Casa Batlló abre de 9:00h a 21:00h todos os dias do ano. Fique atento, pois determinados eventos privados podem fechar a casa para visitas em algumas datas.

O site oficial da Casa Batlló é consulta obrigatória para quem quer visitar o prédio. Ele contém informações detalhadas sobre horários, incluindo as datas nas quais estará fechada para algum evento privado.

Ingressos

[veja mais informações no novo texto como comprar ingressos para a Casa Batlló]

O site oficial da Casa Batlló contém informações detalhadas sobre os ingressos. Os menores de 7 anos não pagam é há descontos para estudantes e aposentados. O preço do ingresso inclui a utilização de audioguia.

ingresso

Indicamos a compra dos ingressos para a Casa Batlló na Visit Barcelona Tickets, a loja oficial de turismo da cidade de Barcelona, parceira do passaporte BCN. Saiba mais sobre ela aqui.

Os ingressos comprados na Visit Barcelona Tickets contam com duas grandes vantagens:

  • podem ser utilizados em qualquer dia e horário, por não estabelecerem data ou hora no momento da compra.
  • os ingressos permitem furar a fila da bilheteria na Casa Batlló. Com o voucher que você vai receber na sua caixa postal, deve ir até a entrada da casa sem passar pela fila da bilheteria.

Na Visit Barcelona Tickets você compra seus ingressos para a Casa Batlló aqui.

Como chegar

A Casa Batlló encontra-se no número 43 do Passeig de Gràcia. Veja aqui a localização no mapa. A estação de metrô mais próxima é a Passeig de Gràcia nas linhas 2 (lilás), 3 (verde) e 4 (amarela).

Dica do passaporte BCN

Se seu orçamento permitir, não deixe de visitar também a La Pedrera (Casa Milá), a outra magnífica obra de Antoni Gaudí no mesmo Passeig de Gràcia. Veja também nosso texto Casa Batlló ou La Pedrera, qual escolher?

Outros textos de interesse: compra antecipada de ingressos para as atrações de Barcelona | atrações imperdíveis de Barcelona | top 5: modernismo em Barcelona | top 5: a Barcelona de Gaudí

[pinit count="horizontal"]

Casa Amatller

Casa Amatller, Barcelona

A Casa Amatller é uma das obras modernistas mais importantes da cidade. Encontra-se no Passeig de Gràcia, no coração da Barcelona modernista, vizinha de parede da maravilhosa Casa Batlló, que tenta ofuscar sua beleza.

Casa Amatller, Barcelona

Em 1898, Antoni Amatller, que era industrial do chocolate, comprou a casa para que fosse sua residência. Como o prédio não tinha nada de especial, Amatller solicita ao arquiteto modernista Puig i Cadafalch a reforma integral do edifício. Puig i Cadafalch tranformou a Casa Amatller em um palácio gótico urbano, seguindo seu estilo pessoal, que o diferenciava de outros arquitetos modernistas.

Casa Amatller, Barcelona

A rica fachada, que já foi descrita como a “apoteose das artes decorativas”, tem influências da arquitetura de palácios do norte da Europa e está coroada por um espetacular frontão flamengo, decorado com azulejos vitrificados.

Casa Amatller, Barcelona
Casa Amatller, Barcelona

As figuras que aparecem na fachada recriam criaturas fantásticas típicas de construções góticas.

Casa Amatller, Barcelona
Casa Amatller, Barcelona

O interior da casa está ricamente decorado.

Casa Amatller, Barcelona
Casa Amatller, Barcelona
Casa Amatller, Barcelona
Casa Amatller, Barcelona

La manzana de la discordia

Manzana de la Discordia, Barcelona

“Manzana de la discordia”, expressão que faz referência à mitologia grega, aplica-se ao trecho do Passeig de Gràcia, compreendido entre o carrer d’Aragó e o carrer del Consell de Cent.

“Manzana”, que em espanhol significa tanto maçã como quarteirão, lembra a maçã dourada da discórdia e refere-se ao trecho onde três casas modernistas e seus respectivos autores competiram entre si pelo título de a mais bela. Essas casas foram realizadas pelos três arquitetos mais importantes do modernismo catalão: a Casa Lleó Morera de Domènech i Montaner, a Casa Amatller, de Puig i Cadafalch, e a Casa Batlló de Antoni Gaudí.

A grande rivalidade profissional e as propostas arquitetônicas, para esse trecho do Passeig de Gràcia, estabeleceram uma relação com o mito do “Pomo da Discórdia” e foram objeto de comentários e críticas na época.

Visita

Casa Amatller, Barcelona

A Casa Amatller abriu as portas à visitação em 2015, depois de uma detalhada restauração. Há visitas guiadas ao andar principal da casa, de uma hora de duração, entre as 10h e as 19h, de segunda a domingo. O preço atualizado dos ingressos pode ser conferido aqui.

Casa Amatller, Barcelona

Os ingressos podem ser comprados na bilheteria que há no andar térreo da casa.

Como chegar

A Casa Amatller se encontra no número 41 do Passeig de Gràcia. Veja aqui a localização no mapa. A estação de metrô mais próxima é a Passeig de Gràcia nas linhas 2 (lilás), 3 (verde) e 4 (amarela).

Dica do passaporte BCN

Se você gosta do estilo de Puig i Cadafalch, não deixe de visitar também a fantástica Casa Macaya.

[pinit count="horizontal"]