Tag: Patrimônio Mundial da Humanidade

Cripta de la Colonia Güell

A Cripta de la Colonia Güell é uma obra de Antoni Gaudí que forma parte do Patrimônio Mundial da Humanidade e encontra-se na grande Barcelona. É um bate-volta de meio dia.

Estamos trabalhando para trazer muitas informações sobre a Cripta de la Colonia Güell. Enquanto o texto não fica pronto, se você tiver alguma consulta, entre em contato conosco, através da caixa de comentários, e tentaremos ajudá-lo.

Veja no texto em breve os links do passaporte BCN que já estão concluídos e aqueles nos quais ainda estamos trabalhando.

[pinit count="horizontal"]

Park Güell

Park Güell, Barcelona

Uma das obras mais conhecidas e belas do arquiteto modernista Antoni Gaudí é, curiosamente, o resultado de um fracasso urbanístico. Eusebi Güell, rico empresário e mecenas de Gaudí, para quem já havia construído o Palau Güell, encomendou ao artista a criação de um grande projeto imobiliário, localizado em um terreno de 15 hectares no bairro de Gràcia, na época um município independente de Barcelona.

Park Güell, Barcelona

O projeto previa a construção de 40 casas unifamiliares em meio a natureza, um retiro bucólico pensado para o descanso de umas poucas famílias seletas e endinheiradas. O projeto pretendia criar uma espécie de cidade-jardim em estilo inglês, fato que justifica a grafia de Park com “k”, como parque em inglês.

No entanto, o interesse pelo projeto foi quase nulo, e unicamente duas casas foram construídas, uma das quais foi ocupada por Gaudí (hoje é a Casa Museu Gaudí). Depois do rotundo fracasso na época, foi declarado Patrimônio Mundial da Humanidade pela UNESCO, em 1984.

Park Güell, Barcelona

Em 1900, Gaudí começou a trabalhar no projeto de criação dessa cidade-jardim numa porção de mata localizada na parte alta de Barcelona. Quando o projeto de construção dessa pequena cidade foi abandonado em 1914, apenas duas casas tinham sido construídas, além de áreas comuns. Entre essas áreas destacam-se os dois pavilhões na entrada do parque, a escadaria e sua emblemática salamandra, a sala hipostila que sustenta a praça central, emoldurada por seu serpenteante banco. Todos os caminhos que percorrem o parque também foram feitos e o projeto de capela, no ponto mais alto do parque, deu lugar ao Turó de les Tres Creus (calvário das três cruzes).

Em 1918, os herdeiros de Güell venderam o terreno para a Prefeitura de Barcelona, que decidiu convertê-lo em um novo parque para a cidade.

Park Güell, Barcelona

A porta principal de entrada ao parque se abre entre um muro de tijolos decorado com mosaicos. Os pavilhões ao redor da entrada estão inspirados no conto de “Hansel e Gretel”, e foram construídos para abrigar a portaria, administração e setor de manutenção da cidade-jardim. O pavilhão da esquerda seria a casa das crianças, Hansel e Gretel. Hoje está ocupado por uma livraria e lojinha de lembranças. A casa da direita, coroada por uma decoração que lembra um cogumelo venenoso, seria a casa da bruxa. Era a antiga casa do zelador do parque e hoje é a sede do MUHBA Park Güell (veja mais informações em MUHBA (Museu d’Història de Barcelona)).

Park Güell, Barcelona

Dividindo a escada central em duas partes, encontram-se três fontes com grupos escultóricos.

Park Güell, Barcelona

Na última fonte está um dos ícones mais conhecidos de Barcelona, a famosa salamandra (também chamada de dragão) multicolorida, recoberta com trencadís: trabalho feito com os fragmentos de cerâmica esmaltada, que se transformou em uma das marcas registradas de Gaudí.

Park Güell, Barcelona

O banco que coroa a escada tem forma de odeão (pequeno anfiteatro grego) e conta com a particularidade de permitir que se tome sol no inverno e dê sombra no verão.

Park Güell, Barcelona

Na parte superior da escada encontra-se a sala hipostila, local que ocuparia o mercado do condomínio no projeto original.

Park Güell, Barcelona

Na sala erguem-se 86 colunas, sustentando um teto ondulante de mosaico, com decorações de Josep Maria Jujol, um dos colaboradores de Gaudí.

Park Güell, Barcelona

Jujol também elaborou quatro grandes rosetas, que representam as quatro estações do ano.

Park Güell, Barcelona

Em ambos os lados da sala hipostila encontram-se as escadas que levam o visitante até a grande praça do Park Güell. A característica mais marcante dessa praça é o maravilhoso banco serpenteante que a rodea.

Park Güell, Barcelona
Park Güell, Barcelona

No banco, revestido com a técnica do trencadís, misturam-se infinitas cores e formas.

Park Güell, Barcelona

Park Güell, BarcelonaPark Güell, Barcelona
Park Güell, BarcelonaPark Güell, Barcelona

Para superar os desníveis do terreno dentro do parque, Gaudí criou um sistema de pontes e viadutos suportados por colunas torcidas. Tanto as pontes quanto os viadutos foram projetados para comportar a passagem de carruagens.

Park Güell, Barcelona

Passeando pela parte inferior do Viaduto do Algorrobo é como estar dentro de uma grande onda num mar de pedras.

Park Güell, Barcelona
Park Güell, Barcelona

Ao percorrer os caminhos que levam a parte mais alta do parque, a vista da cidade de Barcelona vai se tornando mais espetacular a cada instante.

Park Güell, Barcelona

Na parte mais elevada do parque existem dois mirantes. Na esquerda, está o “calvario”, formado por três cruzes e localizado no lugar onde Gaudí planejava construir uma capela.

Park Güell, Barcelona

Na direita do parque, próximo do bairro de El Carmel, encontra-se um outro mirante com vistas lindíssimas de Barcelona. Os dois mirantes estão marcados no mapa do parque que preparamos para você.

Park Güell, Barcelona

Mapa do parque


Ver Park Güell em um mapa maior

Visita

Park Güell

A zona monumental do Park Güell abre todos os dias do ano.

  • do 30 de outubro até o 26 de março abre de 8:30h a 18:15h
  • do 27 de março até o 1 de maio abre de 8:00h a 20:30h
  • do 2 de maio até o 28 de agosto abre de 8:00h a 21:30h
  • do 29 de agosto até o 29 de outubro abre de 8:00h a 20:30h

Sugerimos que confirme os horários atualizados na página oficial do Park Güell.

O acesso à zona monumental do parque é paga, com um ingresso com custo de 8€, com desconto de 1€ para quem comprar antecipadamente pela internet. Há um limite do número simultâneo de turistas no parque. Veja mais informações no texto sobre como comprar ingressos para o Park Güell.

Quanto tempo demora a visita ao Park Güell?

É impossível dar uma estimativa universal, sendo que diferentes pessoas, com distintos interesses e velocidades para apreciar o que cada destino pode oferecer, podem discrepar bastante no tempo dedicado a cada lugar.

No caso do Park Güell, é necessário diferenciar entre a zona monumental do parque (paga) e a zona aberta do parque. Para percorrer a zona monumental serão necessários entre 30 minutos (para os muito apressados) e uma hora e meia (para os mais calmos). Já para visitar a parte aberta do parque, calcule entre 30 minutos (para os muito apressados) e uma hora e meia (se você for subir nos ótimos mirantes e ficar por lá contemplando a cidade).

Como chegar

A entrada principal ao Park Güell está no carrer d´Olot, no bairro de La Salut, na parte mais alta do distrito de Gràcia. Veja aqui a localização no mapa.

Existem duas alternativas para chegar ao parque:

  • de metrô. Pegue a linha 3 (verde) no sentido Trinitat Nova e desça na estação Vallcarca. Saindo da estação, siga a sinalização que indica o caminho até o Park Güell. Para chegar no parque é preciso superar um desnível considerável. Para ajudar um pouco nessa tarefa, existem escadas rolantes na rua.
    Park Güell, Barcelona
  • de ônibus. Pegue a linha 24 ou a linha 92. Nos links você encontrará um plano, em PDF, com o roteiro da linha de ônibus. Tente fazer baldeação entre metrô e ônibus para chegar no parque. Chegando de ônibus, a entrada no parque é feita pela carretera del Carmel (está identificada no mapa com o símbolo de um ônibus).
    Existe também a possibilidade de utilizar a linha 116. É um ônibus de bairro, de pequeno tamanho e que faz um percurso curto. Pode ser pego do lado da estação de metrô Joanic, na linha 4 (amarela). O ônibus tem um ponto bem na frente da entrada principal do Park Güell. Na saída do parque, a linha 116 pode ser usada para chegar até a estação Lesseps da linha 3 (verde) do metrô.

app oficial do parque

Se você estiver viajando com um smartphone, não deixe de fazer o download da app oficial do parque. É gratuita! Veja mais detalhes aqui.

Dica do passaporte BCN

Particularmente, achamos que o Park Güell é um dos lugares mais lindos de Barcelona. Mas já lemos relatos (poucos) de pessoas que o visitaram e saíram desiludidas. Não vá até o parque esperando encontrar um parque de diversões ou até um parque infantil. O Park Güell é o resultado de uma genial proposta urbanística inacabada, visando a harmonia com a natureza. É um lugar para passear, descansar, aguçar o olhar e sentir-se maravilhado com as ideias vanguardistas de Gaudi.

[pinit count="horizontal"]

Palau de la Música Catalana

Palau de la Música Catalana, Barcelona

As estreitas ruas do bairro de Sant Pere, Santa Caterina i La Ribera escondem um dos mais valiosos tesouros modernistas de Barcelona, o Palau de la Música Catalana.

Palau de la Música Catalana, Barcelona

O arquiteto modernista Lluís Domènech i Montaner recebeu a incumbência de construir uma grandiosa sala para concertos, para ser um centro de referência da música catalã. O Palau foi construído entre 1905 e 1908 e é, sem dúvida, um dos trabalhos mais esplêndidos não só do arquiteto, mas de todo o modernismo de Barcelona.

Palau de la Música Catalana, Barcelona

Como era habitual nos grandes projetos dos arquitetos modernistas, estes contaram com a colaboração dos melhores artistas em cada especialidade, para realizar as esculturas, os vitrais e mosaicos.

Palau de la Música Catalana, Barcelona
Palau de la Música Catalana, Barcelona
Palau de la Música Catalana, Barcelona

Com uma área bastante limitada e cercada por ruas estreitas, o projeto apresentou um autêntico desafio para que o arquiteto pudesse levantar sua obra. Entre as soluções inovadoras que encontrou está a utilização de uma estrutura de ferro, que permitiu a instalação de paredes de vidro, deixando que a luz natural entre no interior do prédio.

Palau de la Música Catalana, Barcelona

Tanta suntuosidade e atrevimento não foram sempre bem recebidos. Por volta de 1920, muitos questionamentos foram feitos, inclusive um grupo de arquitetos da época queria que o Palau fosse demolido. Felizmente não tiveram sucesso na empreitada. Em 1997, o Palau recebeu um reconhecimento muito mais justo, sendo declarado Patrimônio Mundial da Humanidade pela UNESCO.

Palau de la Música Catalana, Barcelona

A fachada do Palau surpreende. Na esquina há um grande grupo escultórico, como se fosse a proa de um navio, representando uma alegoria da música popular.

Palau de la Música Catalana, Barcelona

O mosaico recobre boa parte dos tetos, paredes e colunas, sempre com uma profusão de motivos florais.

Palau de la Música Catalana, Barcelona

Outro detalhe curioso fica por conta das antigas bilheterias.

Palau de la Música Catalana, Barcelona

Se o exterior do Palau é surpreendente, no interior as emoções se intensificam. A sala de concertos é um espetáculo modernista único, com seus vitrais coloridos, mosaicos e esculturas.

Palau de la Música Catalana, Barcelona

No teto, a incrível claraboia (que pesa uma tonelada!) é uma maravilha.

Palau de la Música Catalana, Barcelona
Palau de la Música Catalana, Barcelona

No palco, um conjunto de esculturas com motivos musicais representam os espíritos da música.

Palau de la Música Catalana, Barcelona
Palau de la Música Catalana, Barcelona

As flores, um motivo muito utilizado pelo arquiteto, estão presentes por toda parte.

Dê uma olhada atenta no interior do Palau com a visita virtual disponibilizada pela Prefeitura de Barcelona.

Visita

O Palau de la Música Catalana abre todos os dias do ano e a visitação é feita exclusivamente com guias especializados. A visita guiada é paga e tem uma duração de 1 hora, percorrendo os principais espaços do Palau.

No site oficial do Palau podem ser consultadas as informações atualizadas, relacionadas com os horários da visita e os preços. As crianças menores de 10 anos não pagam e estudantes e aposentados tem desconto.

Ingressos

ingresso

A Visit Barcelona Tickets é a loja oficial de turismo da cidade de Barcelona, parceira do passaporte BCN. Saiba mais sobre ela aqui. Na Visit Barcelona Tickets você compra seus ingressos para o Palau de la Música Catalana aqui.

Como a visita interna ao Palau é feita em grupos reduzidos, recomendamos a reserva antecipada da visita, muito especialmente nos meses da temporada alta.

Como chegar

O Palau está na rua do mesmo nome, Palau de la Música, 4-6, na entrada do Sant Pere, Santa Caterina i La Ribera e muito perto do Barri Gòtic. Veja aqui a localização no mapa. A estação de metrô mais próxima é a Urquinaona nas linhas 1 (vermelha) e 4 (amarela).

Dica do passaporte BCN

Palau de la Música Catalana, Barcelona

Se não puder realizar a visita ao interior do Palau de la Música Catalana, entre no café do Palau, que fica na parte lateral do prédio, e sinta o sabor especial desse lugar. Será uma pequena amostra de toda a beleza que se esconde no interior dessa joia.

Uma forma alternativa e muito especial de conhecer o Palau de la Música Catalana é assistindo alguma apresentação musical. Na seguinte página você poderá consultar a programação completa. Os espetáculos são principalmente de música clássica, com espaço ocasional para outros estilos musicais como músicas do mundo ou shows de flamenco.

[pinit count="horizontal"]

Palau Güell

Palau Güell, Barcelona

As estreitas ruas do bairro de El Raval escondem uma obra muito importante do genial Antoni Gaudí: o Palau Güell (não confundir com outra obra de Gaudí com nome parecido, o Park Güell).

Antoni Gaudí, Barcelona

Gaudí, então com 34 anos de idade, recebeu a incumbência de construir a residência da família Güell, que ocorre entre 1886 e 1888. Eusebi Güell foi um importante empresário e grande mecenas da cultura catalã. Apostou no talento de Antoni Gaudí quando o arquiteto ainda não tinha atingido a fama.

Antoni Gaudí, Barcelona

Güell não optou pelo elegante bairro de Eixample, preferindo aproveitar uma casa em Las Ramblas para expandí-la e construir sua nova moradia no vizinho El Raval, um bairro antigo e sem glamour.

Gaudí teve liberdade orçamentária para criar um palácio capaz de receber reuniões políticas, culturais e artísticas. O resultado desse trabalho foi um dos primeiros prédios modernistas do mundo.

A fachada foi revestida de pedra e adornada com um maravilhoso trabalho feito em ferro.

Antoni Gaudí, Barcelona
Antoni Gaudí, Barcelona
Antoni Gaudí, Barcelona
Antoni Gaudí, Barcelona

No interior, Gaudí usou os melhores materiais, incluindo o mármore.

Antoni Gaudí, Barcelona
Antoni Gaudí, Barcelona
Antoni Gaudí, Barcelona

Antoni Gaudí, BarcelonaAntoni Gaudí, Barcelona
Antoni Gaudí, BarcelonaAntoni Gaudí, Barcelona
Antoni Gaudí, BarcelonaAntoni Gaudí, Barcelona
Antoni Gaudí, BarcelonaAntoni Gaudí, Barcelona
Antoni Gaudí, BarcelonaAntoni Gaudí, Barcelona

O salão central é o espaço mais importante do Palau. Tem uma atmosfera muito peculiar, despertando em cada pessoa diferentes sensações. A sala articula também a estrutura do prédio.

Antoni Gaudí, Barcelona
Antoni Gaudí, Barcelona
Antoni Gaudí, Barcelona

No terraço, 20 chaminés coloridas, todas com diferentes formas, sinalizam uma festa que contrasta com a escuridão do subsolo do prédio.

Antoni Gaudí, Barcelona

As chaminés assemelham-se a árvores e nelas Gaudí usou pela primera vez o trencadís, fragmentos de cerâmica esmaltada com funções decorativas, que se transformaria em uma de suas marcas registradas. Gaudí produziu outro espetacular terraço com chaminés em La Pedrera (Casa Milá), muitos anos depois.

AntonBarcelona

As chaminés foram restauradas entre 1988 e 1992. O Palau passou por uma grande obra de restauração entre 2004 e 2011, quando finalmente reabriu suas portas.

Palau Güell, Barcelona

Visita

O Palau Güell abre o ano todo de terça a domingo. Fica fechado às segundas-feiras (exceto se for feriado, que então estará aberto) e também nos dias 1 de janeiro, do 6 ao 13 de janeiro (manutenção anual) e no 25 e 26 de dezembro.

No site oficial do Palau podem ser consultadas as informações atualizadas relacionadas com horários e preços.

Como chegar

O Palau Güell está na rua Nou de la Rambla, 3, no bairro do El Raval, muito perto de Las Ramblas. Veja aqui a localização no mapa. As estações de metrô mais próximas são a Liceu e a Drassanes na linha 3 (verde).

Dica do passaporte BCN

A parte do bairro de El Raval, situada entre a rua Nou de la Rambla, onde está o Palau Güell, e o mar, não é muito recomendável, especialmente depois de anoitecer. Mas aproveite que está na entrada do bairro para conhecer seus principais atrativos turísticos, da rua Nou de la Rambla para o norte.

[pinit count="horizontal"]

La Pedrera (Casa Milà)

La Pedrera / Casa Milà, Barcelona

La Pedrera (a “canteira”), também conhecida como Casa Milà, é uma das obras mais importantes do genial Antoni Gaudí. Foi também a última casa residencial construída por Gaudí, que dedicou os últimos anos da sua vida ao projeto e construção da Sagrada Família.

Em 1906, um pequeno edifício de 3 andares foi demolido e deu lugar a La Pedrera. Uma obra encomendada por Pere Milà, um jovem endinheirado casado com uma rica viúva, ao renomado Gaudí. Milà queria uma casa que deixasse Barcelona de queixo caído e que ofuscasse as famosas vizinhas do Passeig de Gràcia: a Casa Amatller, a Casa Batlló e a Casa Lleó Morera.

Gaudí, que recebeu um orçamento ilimitado para a obra, ficou empolgado. O resultado do seu trabalho foi uma grande escultura abstrata, onde triunfam as linhas curvas e formas orgânicas.

Após a inauguração, a obra foi motivo de chacota generalizada. Sua modernidade não foi compreendida e o próprio apelido de La Pedrera, dado à casa logo depois de inaugurada, revelou o desprezo pela mesma.

Era um projeto muito à frente de sua época e só com o passar do tempo foi reconhecido seu autêntico valor. Por sua importância para a história da arte e da arquitetura, a Casa Milà foi declarada Patrimônio da Humanidade pela UNESCO, em 1984. Curiosamente nessa época a Casa apresentava um aspecto terrível, com um bingo no andar principal e lojas que descaracterizavam a arquitetura original.

O exterior

La Pedrera / Casa Milà, Barcelona

A Casa Milà tem três fachadas, uma delas situada no Passeig de Gràcia, outra voltada para a rua Provença e a última, em forma de chaflán, na esquina entre as outras duas fachadas. O projeto de Gaudí unificou as fachadas como se fossem uma só, com suas formas onduladas que se assemelham a uma rocha açoitada pelas ondas do mar.

La Pedrera / Casa Milà, Barcelona

A fachada da Casa Milà está coberta com pedra calcária, com 33 balcões decorados em ferro forjado com formas que se assemelham a algas marinhas.

La Pedrera / Casa Milà, Barcelona

É muito interessante contemplar a fachada da Casa Milà em diferentes horários do dia e notar como a luz pode mudar a aparência e cor dessa maravilhosa obra.

O interior

La Pedrera / Casa Milà, Barcelona

O andar térreo da Casa Milà tem dois acessos com halls de entrada separados e conectados com dois pátios. As portas de entrada combinam ferro forjado e vidro, com representações em formas orgânicas.

La Pedrera / Casa Milà, Barcelona
La Pedrera / Casa Milà, Barcelona

A decoração com pinturas murais é um dos elementos mais destacados das entradas.

La Pedrera / Casa Milà, Barcelona
La Pedrera / Casa Milà, Barcelona

Os apartamentos estão distribuídos ao redor dos dois pátios internos que garantem a iluminação e a ventilação.

La Pedrera / Casa Milà, Barcelona

É muito interessante saber que Gaudí desenhou os apartamentos de maneira que os proprietários pudessem redistribuir os espaços internos da forma mais conveniente para cada um deles. As paredes não têm uma função de sustentação estrutural do prédio e por isso podem ser realocadas. Não há dois apartamentos iguais.

La Pedrera / Casa Milà, Barcelona

El Piso de la Pedrera

La Pedrera / Casa Milà, Barcelona

A visita a La Pedrera inclui também um tour pelo “El Piso de la Pedrera”, uma verdadeira viagem ao passado feita através de um apartamento decorado e ambientado como se estivesse ocupado por um antigo morador do edifício.

La Pedrera / Casa Milà, Barcelona

O espaço visitado representa a reconstrução de um apartamento da época.

El Espai Gaudí

La Pedrera / Casa Milà, Barcelona

O sótão da casa era o lugar onde estavam os tanques e espaço para lavar roupa. Hoje apresenta seu aspecto original, com abóbadas realizadas com tijolos.

La Pedrera / Casa Milà, Barcelona

Atualmente o sótão é um espaço destinado a apresentar a obra de Antoni Gaudí, através de desenhos, maquetes, fotografias e apresentações audiovisuais.

La Pedrera / Casa Milà, Barcelona

O terraço

La Pedrera / Casa Milà, Barcelona

O poeta catalão Pere Gimferrer descreveu o terraço da Casa Milà como o “jardim dos guerreiros”, e não é difícil entender rapidamente a razão. As chaminés de ventilação concebidas por Gaudi parecem guerreiros, com a cabeça adornada por capacetes.

La Pedrera / Casa Milà, Barcelona

O terraço é um autêntico jardim de esculturas.

La Pedrera / Casa Milà, Barcelona

É um espaço fantástico, com suas diferentes partes conectadas por escadas e passadiços, que acompanham o desnível provocado pelo desenho do teto do sótão.

La Pedrera / Casa Milà, Barcelona

Gaudí utilizou diferentes soluções para as 30 chaminés, as duas torres de ventilação e as 6 saídas das escadas que existem no terraço.

La Pedrera / Casa Milà, Barcelona

Uma das marcas mais características de sua obra, o trencadís (fragmentos de cerâmica esmaltada formando um mosaico), também está presente no terraço.

La Pedrera / Casa Milà, Barcelona

Visita

La Pedrera foi propriedade da Caixa Catalunya, que comprou o prédio em 1986 e fez uma linda restauração. Hoje La Pedrera pertence à Fundació Catalunya-La Pedrera, responsável pelas visitas ao prédio.

La Pedrera abre para visitação todos os dias do ano, com exceção do Natal.

O site oficial de La Pedrera tem informações muito interessantes para quem quer visitar o prédio, além de dados detalhados sobre horários e preços.

Além da visita convencional, La Pedrera oferece também mais dois tipos de visita:

  • El Despertar de La Pedrera, uma vista guiada feita no começo do dia, às 8 horas, antes do horário de visitação normal da casa. A visita guiada inclui um percurso pelos lugares mais importantes da Casa e também por espaços que não são visitados habitualmente. Inclui também um café ou uma bebida no Café de La Pedrera no final da visita. Para mais informações consulte aqui.
  • La Pedrera Secreta, uma vista feita no final do dia e tem um preço mais elevado. Para mais informações consulte aqui.

Ingressos

[veja mais informações no novo texto como comprar ingressos para La Pedrera]

ingresso

Indicamos a compra dos ingressos para La Pedrera na Visit Barcelona Tickets, a loja oficial de turismo da cidade de Barcelona, parceira do passaporte BCN. Saiba mais sobre ela aqui.

Os ingressos comprados na Visit Barcelona Tickets contam com uma grande vantagem, permitem furar a fila da bilheteria em La Pedrera. Com o voucher que você vai receber na sua caixa postal, deve ir até a fila rápida para quem comprou os ingressos online.

Na Visit Barcelona Tickets você compra seus ingressos para La Pedrera aqui.

Como chegar

La Pedrera encontra-se no número 261-265 do carrer Provença, esquina com o Passeig de Gràcia. Veja aqui a localização no mapa. A estação de metrô mais próxima é a Diagonal nas linhas 3 (verde) e 5 (azul).

Dica do passaporte BCN

Se seu orçamento permitir, não deixe de visitar também a Casa Batlló, a outra magnífica obra de Antoni Gaudí no mesmo Passeig de Gràcia. Veja também nosso texto Casa Batlló ou La Pedrera, qual escolher?

E se sua programação permitir, suba no terraço no final da tarde, quando é incrivelmente lindo ver o sol se pôr e o terraço se iluminar.

Outros textos de interesse: compra antecipada de ingressos para as atrações de Barcelona | atrações imperdíveis de Barcelona | top 5: modernismo em Barcelona | top 5: a Barcelona de Gaudí

[pinit count="horizontal"]

Hospital de la Santa Creu i Sant Pau

Hospital de la Santa Creu i Sant Pau, Barcelona

O maior tesouro do modernismo catalão é provavelmente um dos lugares menos visitados de Barcelona: o Hospital de la Santa Creu i Sant Pau, no bairro de Guinardó, junto ao distrito do Eixample.

Hospital de la Santa Creu i Sant Pau, Barcelona
Hospital de la Santa Creu i Sant Pau, Barcelona

O hospital é, na verdade, uma autêntica cidade modernista, com ruas, prédios e jardins. O Hospital de la Santa Creu (Santa Cruz), fundado em 1401, estava localizado no bairro de El Raval. Com o crescimento da cidade, o antigo hospital ficou pequeno e era necessário transferí-lo para um novo endereço.

Hospital de la Santa Creu i Sant Pau, Barcelona
Hospital de la Santa Creu i Sant Pau, Barcelona

Em 1902, as obras de construção do novo hospital tiveram início, e o local escolhido estava situado em um extremo do novo distrito do Eixample. Contando com uma herança deixada pelo banqueiro Pau Gil, destinada à construção de um novo hospital em homenagem a Sant Pau (São Paulo), o complexo hospitalário de Santa Creu i Sant Pau foi inaugurado oficialmente em 1930.

Hospital de la Santa Creu i Sant Pau, Barcelona

O arquiteto modernista Lluís Domènech i Montaner esteve a frente da direção da obra, na qual também trabalhou seu filho, Pere Domènech i Roura, além de destacados artistas modernistas.

Hospital de la Santa Creu i Sant Pau, Barcelona

Hospital de la Santa Creu i Sant Pau, Barcelona

O impressionante prédio na entrada do hospital está coroado por uma torre e um relógio. A fachada está repleta de mosaicos, capitéis e esculturas.

Hospital de la Santa Creu i Sant Pau, Barcelona
Hospital de la Santa Creu i Sant Pau, Barcelona

O hospital está formado por um conjunto de 12 pavilhões, que estão interligados por uma rede de corredores subterrâneos.

Hospital de la Santa Creu i Sant Pau, Barcelona
Hospital de la Santa Creu i Sant Pau, Barcelona

Domènech teve uma visão muito moderna ao projetar o hospital, separando as diferentes partes do centro hospitalário e garantindo muito verde, luz e tranquilidade para médicos e pacientes.

Hospital de la Santa Creu i Sant Pau, Barcelona

O hospital foi declarado Patrimônio Mundial da Humanidade pela UNESCO, em 1997. Com um novo crescimento da cidade, foi necessária a expansão do atual complexo, através da construção de prédios para um novo e moderno hospital, em harmonia com os maravilhosos edifícios modernistas.

Hospital de la Santa Creu i Sant Pau, Barcelona
Hospital de la Santa Creu i Sant Pau, Barcelona
Hospital de la Santa Creu i Sant Pau, Barcelona
Hospital de la Santa Creu i Sant Pau, Barcelona

Em julho de 2013 a Casa Asia, uma institução pública que foi criada em 2001 para promover as relações culturais e econômicas com a Ásia, mudou sua sede para o Hospital de la Santa Creu i Sant Pau (durante 10 anos ocupou o modernista Palau Baró de Quadras). Hoje ocupa o Pabellón de Sant Manuel do Hospital. Outros organismos da ONU e da OMS também tem sua sede no hospital.

Visita

Hospital de la Santa Creu i Sant Pau, Barcelona

Após uma grande reforma, que durou cinco anos, o hospital reabriu suas portas em fevereiro de 2014. Todas as informações sobre a visita ao hospital podem ser consultadas no site oficial, que pertence a uma fundação privada.

Hospital de Sant Pau, BarcelonaHospital de Sant Pau, BarcelonaHospital de Sant Pau, BarcelonaHospital de Sant Pau, Barcelona
Hospital de Sant Pau, BarcelonaHospital de Sant Pau, BarcelonaHospital de Sant Pau, BarcelonaHospital de Sant Pau, Barcelona

Ingressos

Consulte os horários de visita aqui e os preços aqui. Há descontos para pessoas entre 16 e 29 anos e maiores de 65. O ingresso é gratuito para menores de 16 anos. Existem duas modalidades de visita. Uma visita livre, na qual você percorre por conta os espaços do hospital. E uma visita guiada, com horário marcado e oferecida em inglês, francês, catalão e espanhol. O ingresso é livre no primeiro domingo do mês.

ingresso

A Visit Barcelona Tickets é a loja oficial de turismo da cidade de Barcelona, parceira do passaporte BCN. Saiba mais sobre ela aqui. Na Visit Barcelona Tickets você compra seus ingressos para a visita livre ao recinto modernista do Hospital de Sant Pau aqui.

Como chegar

O complexo hospitalário ocupa um quarteirão gigantesco. A fachada principal está no encontro das ruas Carrer de Cartagena e Carrer de Sant Antoni Maria Claret. A entrada ao complexo é feita por esta última rua. Veja aqui a localização no mapa. A estação de metrô mais próxima é a Sant Pau / Dos de Maig na linha 5 (azul).

Dica do passaporte BCN

Aproveite a visita à imperdível Sagrada Família, para percorrer a agradável Avinguda Gaudí, até chegar à fachada principal do Hospital de Santa Creu i Sant Pau.

O hospital faz parte de nosso roteiro 7, Sagrada Família e Hospital de Sant Pau.

[pinit count="horizontal"]

Casa Vicens

Casa Vicens, Barcelona

[IMPORTANTE: a Casa Vicens está passando por obras de restauração, preparando-a para sua abertura à visitação pública, prevista para 2017. Durante vários meses, a Casa deve permanecer coberta por tapumes e andaimes]

A Casa Vicens foi a primeira obra importante do jovem arquiteto Antoni Gaudí, construída no bairro de Gràcia entre 1883 e 1888. Na época, Gràcia era um município independente de Barcelona.

Casa Vicens, Barcelona

Manuel Vicens i Montaner, que algumas fontes citam como um fabricante de azulejos e outras como um corretor de comércio e bolsa, solicitou à Gaudí, no ano de 1878, um projeto para construção de sua casa. A construção teve início em 1883 e realizou-se de acordo com as possibilidades financeiras de Vicens, tardando nada menos que 5 anos para ser concluída.

Casa Vicens, Barcelona

Na época, Gaudí ainda buscava seu próprio estilo e a obra tem uma forte inspiração oriental e também mudéjar (estilo artístico e arquitetônico, que aparece nas obras cristãs realizadas pelos muçulmanos que permaneceram na Espanha após 1492).

Casa Vicens, Barcelona

Os detalhes em azulejo e pedra são os grandes protagonistas na construção e nas fachadas. Gaudí já revelava sua tendência a utilização de motivos vegetais e florais, estampando flores de tagetes nos azulejos da fachada. A inspiração veio das flores que ocupavam o terreno onde foi construída a Casa Vicens.

Casa Vicens, Barcelona
Casa Vicens, Barcelona

O trabalho em ferro fundido que gradea a frente do jardim reforça a tendência no emprego de motivos vegetais presente na obra de Gaudi.

Casa Vicens, Barcelona

Por sua importância para a história da arte e da arquitetura, a Casa Vicens foi declarada Patrimônio da Humanidade pela UNESCO em 2005.

A Casa Vicens deve abrir à visitação durante 2017.

Como chegar

A Casa Vicens encontra-se na rua Carolines, 18-24. Veja aqui a localização no mapa. A estação de metrô mais próxima é a Fontana na linha 3 (verde).

Dica do passaporte BCN

A Casa Vicens deve ser uma parada obrigatória em qualquer passeio pelo bairro de Gràcia.

[pinit count="horizontal"]

Casa Batlló

Casa Batlló, Barcelona

A Casa Batlló é uma das obras mais importantes e impressionantes do genial Antoni Gaudí, refletindo o periodo de plenitude criativa do artista. A casa também é conhecida popularmente como a “casa de las máscaras” ou a “casa de los huesos” (ossos) pela semelhança de alguns elementos decorativos da fachada com máscaras e ossos.

Casa Batlló, Barcelona

Pela sua importância para a história da arte e da arquitetura, foi declarada, em 2005, Patrimônio Mundial da Humanidade pela UNESCO.

Sua história começou em 1903, quando Josep Batlló, um rico empresário da área têxtil, comprou o prédio, situado no Passeig de Gràcia, no coração da Barcelona modernista. A construção do edifício data de 1877, numa época em que não havia luz elétrica em Barcelona. Batlló encomendou a remodelação quase que total do prédio a Antoni Gaudí, que na época já era um arquiteto famoso.

No trabalho de reforma do prédio, Gaudí contou com a colaboração dos seus ajudantes habituais e de um seleto grupo de artesãos da época. Essa mão de obra de primeira ordem contribuiu para que o resultado final se convertesse em um trabalho com desenho extraordinário. A obra foi completada entre 1904 e 1906 e Batlló ficou tão contente com o trabalho realizado por Gaudí, que o indicou para a construção de La Pedrera, de seu amigo Pere Milà i Camps.

O exterior

Casa Batlló, Barcelona

O trabalho de Gaudí reflete um estilo muito pessoal, que busca inspiração em formas orgânicas da natureza. Gaudí criou uma nova fachada, com muros ondulados, sobre os quais colocou seu característico trencadís (fragmentos de cerâmica e vidros quebrados), acrescentando um maravilhoso colorido e relevos à fachada principal. Admirar o prédio, a partir da calçada, é como ver um enorme quadro impressionista, onde é possível imaginar a superfície do mar, brincando com os reflexos da luz do sol.

Casa Batlló, Barcelona

O grande balcão do primeiro andar, feito com pedra arenosa, possibilita uma visão interna do salão.

Casa Batlló, Barcelona

Os outros andares, com balcões decorados com ferro fundido em forma de máscaras, retribuem os inúmeros olhares que são lançados pelos espectadores.

Casa Batlló, Barcelona

No alto do prédio, a torre coroada com uma cruz de quatro braços lembra a espada de Sant Jordi atravessando o corpo do dragão, uma referência a São Jorge, padroeiro da Catalunha. Essa é uma das interpretações dadas para a fachada da casa Batlló, onde as colunas em forma de ossos e as janelas que lembram caveiras simbolizariam as vítimas do dragão, antes de ser morto por São Jorge.

Casa Batlló, Barcelona

A parte superior do telhado assemelha-se ao dorso de um réptil (seria um dragão?) e suas escamas. O dorso do dragão equilibra esteticamente quatro grupos de sinuosas chaminés situadas no terraço da casa.

Casa Batlló, Barcelona

Outra interpretação mais amena da obra de Gaudí está relacionada ao Carnaval, onde os detalhes de mosaicos e cerâmicas representariam confetes, no teto estaria o chapéu de arlequim e nas janelas as máscaras de carnaval.

Casa Batlló, Barcelona
Casa Batlló, Barcelona

O interior

Casa Batlló, Barcelona

Se a fachada e as partes externas da Casa Batlló deixam qualquer um boquiaberto, o interior não fica atrás, apresentando surpresas a cada passo.

Casa Batlló, Barcelona

Entrando na casa, há uma escada que leva até o salão principal.

Casa Batlló, Barcelona

Dali até o terraço do prédio é um desenrolar constante de maravilhas.

Casa Batlló, Barcelona

Preste atenção aos detalhes, às cores, às formas, aos espaços, à luz.

Mais fotos

Pode ver nossa coleção completa de fotografias da Casa Batlló aqui. Veja uma amostra a continuação.

Casa Batlló, BarcelonaCasa Batlló, BarcelonaCasa Batlló, BarcelonaCasa Batlló, Barcelona
Casa Batlló, BarcelonaCasa Batlló, BarcelonaCasa Batlló, BarcelonaCasa Batlló, Barcelona
Casa Batlló, BarcelonaCasa Batlló, BarcelonaCasa Batlló, BarcelonaCasa Batlló, Barcelona

La manzana de la discordia

Manzana de la Discordia, Barcelona

“Manzana de la discordia”, expressão que faz referência à mitologia grega, aplica-se ao trecho do Passeig de Gràcia, compreendido entre o carrer d’Aragó e o carrer del Consell de Cent.

“Manzana”, que em espanhol significa tanto maçã como quarteirão, lembra a maçã dourada da discórdia e refere-se ao trecho onde três casas modernistas e seus respectivos autores competiram entre si pelo título de a mais bela. Essas casas foram realizadas pelos três arquitetos mais importantes do modernismo catalão: a Casa Lleó Morera de Domènech i Montaner, a Casa Amatller, de Puig i Cadafalch, e a Casa Batlló de Antoni Gaudí

A grande rivalidade profissional e as propostas arquitetônicas, para esse trecho do Passeig de Gràcia, estabeleceram uma relação com o mito do “Pomo da Discórdia” e foram objeto de comentários e críticas na época.

Visita

A Casa Batlló abre de 9:00h a 21:00h todos os dias do ano. Fique atento, pois determinados eventos privados podem fechar a casa para visitas em algumas datas.

O site oficial da Casa Batlló é consulta obrigatória para quem quer visitar o prédio. Ele contém informações detalhadas sobre horários, incluindo as datas nas quais estará fechada para algum evento privado.

Ingressos

[veja mais informações no novo texto como comprar ingressos para a Casa Batlló]

O site oficial da Casa Batlló contém informações detalhadas sobre os ingressos. Os menores de 7 anos não pagam é há descontos para estudantes e aposentados. O preço do ingresso inclui a utilização de audioguia.

ingresso

Indicamos a compra dos ingressos para a Casa Batlló na Visit Barcelona Tickets, a loja oficial de turismo da cidade de Barcelona, parceira do passaporte BCN. Saiba mais sobre ela aqui.

Os ingressos comprados na Visit Barcelona Tickets contam com duas grandes vantagens:

  • podem ser utilizados em qualquer dia e horário, por não estabelecerem data ou hora no momento da compra.
  • os ingressos permitem furar a fila da bilheteria na Casa Batlló. Com o voucher que você vai receber na sua caixa postal, deve ir até a entrada da casa sem passar pela fila da bilheteria.

Na Visit Barcelona Tickets você compra seus ingressos para a Casa Batlló aqui.

Como chegar

A Casa Batlló encontra-se no número 43 do Passeig de Gràcia. Veja aqui a localização no mapa. A estação de metrô mais próxima é a Passeig de Gràcia nas linhas 2 (lilás), 3 (verde) e 4 (amarela).

Dica do passaporte BCN

Se seu orçamento permitir, não deixe de visitar também a La Pedrera (Casa Milá), a outra magnífica obra de Antoni Gaudí no mesmo Passeig de Gràcia. Veja também nosso texto Casa Batlló ou La Pedrera, qual escolher?

Outros textos de interesse: compra antecipada de ingressos para as atrações de Barcelona | atrações imperdíveis de Barcelona | top 5: modernismo em Barcelona | top 5: a Barcelona de Gaudí

[pinit count="horizontal"]

Sagrada Família

Sagrada Família, Barcelona

Nenhuma outra atração turística de Barcelona tem instigado tanto a imaginação dos visitantes do mundo todo, como o incrível Temple Expiatori de la Sagrada Família. O templo é, sem dúvida, uma das atrações imperdíveis da cidade, uma das obras mais emblemáticas do gênio do modernismo catalão Antoni Gaudí.

Acreditamos que o magnetismo exercido pela Sagrada Família, no imaginário dos turistas, tem várias razões de ser:

  • o tamanho colossal e a verticalidade do templo, que ocupa um quarteirão completo do Eixample e pode ser visto a partir de muitos cantos da cidade.
  • é a obra-prima do gênial Antoni Gaudí, máximo representante do modernismo, refletido por toda a cidade de Barcelona. A Sagrada Família é o exemplo perfeito da creatividade e innovação de Gaudí.
  • é uma obra viva e em constante evolução. Visitar a Sagrada Família é uma oportunidade única de testemunhar a construção de um grandioso templo.
  • é um templo expiatório, construído com os donativos dos fiéis. As obras do templo são financiadas pelo dinheiro arrecadado com os ingressos. Estima-se que a conclusão das obras da Sagrada Família aconteça até o 2030.

Por estas e outras razões, a Sagrada Família foi declarada Patrimônio Cultural da Humanidade pela UNESCO, no ano de 2005. Na verdade, somente a fachada do Naixement e a cripta, partes construídas por Gaudí, receberam o título.

Um pouco de história

Sagrada Família, Barcelona

O projeto original da Sagrada Família, no estilo neogótico, foi feito pelo arquiteto Francisco de Paula del Villar (1828-1901). Em 1883, aos 31 anos, Gaudí assumiu a obra e esteve a frente dela até a data da sua morte, em 1926. Gaudí não abandonou a obra da Sagrada Família durante 43 anos, nos quais pensou e repensou o projeto do templo.

Gaudí queria que o templo fosse um grande monumento a Deus, mas também um ponto de referência em Barcelona.

Sagrada Família, Barcelona

Quando herdou o projeto original, Gaudí construiu a cripta e começou o trabalho na abside e no claustro. Porém, a chegada de uma grande doação anônima levou o arquiteto a abandonar o projeto neogótico para criar um novo projeto, grandioso e innovador.

Em 1892 Gaudí começou a trabalhar na fachada do Naixement (Natividade). Muito mais tarde, em 1911, elaborou o projeto da fachada da Passió (Paixão). Em 1923, a solução definitiva para as naves e as cobertas ficou pronta.

Na verdade, só a partir de 1914, Gaudí passou a se dedicar por completo ao templo. Essa dedicação total de Gaudí à Sagrada Família está presente no fato de não existirem outras obras importantes de sua autoria nos últimos 12 anos de sua vida. Seu comprometimento com a obra foi tal que passou a morar no templo, durante os últimos meses da sua vida.

Gaudí morreu em 10 de junio de 1926, três dias depois de ter sido atropelado por um bonde. Foi enterrado na capela del Carme, na cripta do templo.

Gaudí sabia que não veria a conclusão da Sagrada Família. As obras avançavam muito devagar e o artista já tinha afirmado “outros virão depois de mim. O que é necessário é conservar sempre o espírito da obra.”

Após a morte de Gaudí, a direção da obra foi transferida para Domènec Sugrañes, seu íntimo colaborador, que tocou a construção até 1938. Depois vieram outros colaboradores de Gaudí, que tiveram contato direto com o arquiteto. A partir de 1984 Jordi Bonet Armengol é o responsável pela obra, tentando respeitar sempre a ideia original de Gaudí.

Em 7 de novembro de 2010, o papa Bento XVI consagrou o templo, que foi declarado Basílica menor.

Vamos percorrer a Sagrada Família!

Façana do Naixement (Fachada da Natividade)

Sagrada Família, Barcelona

A impressionante Fachada da Natividade fica no Carrer de la Marina, em frente a praça que tem um laguinho. É preciso se afastar bastante para conseguir contemplar a fachada por completo. Com formas orgânicas, pouco comuns nas fachadas de outros templos, inclui também elementos inesperados, como folhas, animais e frutas, surpreendentes e inovadores. Nas laterais da porta central, há tartarugas na base das colunas.

O ingresso dos visitantes no templo é feito por esta fachada.



Antes de sua morte, Gaudí finalizou esta fachada por completo. Como as obras de construção sempre dependeram das doações, o avanço é muito lento. Gaudí sabia que não veria o templo finalizado e quis deixar, pelo menos, uma fachada terminada, que serviria como um guia para o resto do templo.

Sagrada Familia, Barcelona

A fachada tem três portas:

  • a Porta de la Caritat (da Caridade), no meio. Nela estão representadas cenas no nascimento de Jesus. No alto da coluna aparece a estrela do Natal, a Anunciação, e a coroação da virgem em um nível superior.
  • a Porta de l’Esperança, na esquerda. Está dedicada a São José. Nela aparece também a matança dos santos inocentes e a fuga para Egito.
  • a Porta de la Fe, na direita. Nela aparece o jovem São José trabalhando, a visita de María a Isabel e a apresentação de Jesus ao templo. A mão com o olho no meio represnta a Divina Providência, o Deus que tudo vê.

A fachada está coroada por quatro torres. As escadas localizadas no interior das torres recebem luz natural de suas inúmeras janelas, que também favorecerão a acústica dos sinos, quando forem nelas instalados.

Façana da Passió (Fachada da Paixão)

Sagrada Família, Barcelona

A Fachada da Paixão fica no Carrer Sardenya, em frente a praça que não tem laguinho.

Sagrada Família, Barcelona

Esta fachada foi inteiramente realizada depois da morte de Gaudí. Sob a responsabilidade de Josep Maria Subirachs (falecido em abril de 2014), seguindo seu estilo pessoal e inspirando-se em Gaudí, essa fachada mostra guerreiros cujas cabeças lembram muito as chaminés de La Pedrera.

Sagrada Família, Barcelona
Sagrada Família, Barcelona

As imagens representam os últimos dias na vida de Jesus, com cenas de sofrimento representadas em três níveis da fachada. As seis colunas sobre as quais se apoia a fachada estão inspiradas nos troncos das gigantescas sequoias americanas.

Sagrada Família, Barcelona

Façana de la Glòria (Fachada da Glória)

Sagrada Família, Barcelona

A Fachada da Glória fica no Carrer Mallorca e ainda está sendo construída. Atualmente se assemelha a um canteiro de obras. Quando estiver finalizada, será a fachada principal do templo, a maior e mais monumental.

Sagrada Família, Barcelona

As portas da fachada já estão no lugar, com frases do Pai Nosso em 50 idiomas diferentes.

O interior

Sagrada Família, Barcelona

A Sagrada Família surpreende e impressiona tanto externa como internamente.

Sagrada Familia, Barcelona

Assim que entrar, preste atenção nos maravilhosos e coloridos vitrais. O principal deles representa a ressurreição, enquanto os laterais simbolizam santos e santuários.

Sagrada Família, Barcelona

No grande espaço central, você terá uma sensação de harmonia com a natureza. As colunas sobre as quais o templo está apoiado são como troncos de árvores, por entre os quais os raios de sol se filtram como em uma floresta. Gaudí mais uma vez se inspirou na natureza para combinar, de forma harmônica, o estético e o funcional.

Sagrada Família, Barcelona

O claustro da Sagrada Família também é diferente de todos os outros já vistos. Quando estiver finalizado, rodeará todo o templo, funcionando como elemento de isolamento e proteção do meio externo.

Sagrada Família, Barcelona

As torres

Sagrada Família, Barcelona

Quando o templo for finalizado terá 18 torres: uma para cada apóstolo, quatro para cada evangelista e os zimbórios de Jesus e da Virgem Maria. A torre mais alta, a de Jesus, terá 172 metros de altura.

Sagrada Família, Barcelona
Sagrada Família, Barcelona

Dependendo da tipología das torres são usadas diferentes soluções arquitetônicas. Hoje já é possível ver os pináculos de mosaico, que coroam as torres dos apóstolos, adornados com o anel e o báculo episcopais. Em cada torre pode ser vista uma escultura do apóstolo que representa.

Sagrada Família, Barcelona
Sagrada Família, Barcelona
Sagrada Família, Barcelona

As torres servirão de campanário. Gaudí realizou complexos estudos de acústica, quando desenhava as torres.

Como é feita a visita as torres?

A subida nas torres da Sagrada Familia é feita de elevador e a descida por uma escada em forma de caracol não indicada para quem tiver problemas de mobilidade. A altura da escada é equivalente a um prédio de 20 andares.

Qual das duas torres escolher?

A experiência de visitar cada uma das torres da Sagrada Família é bastante parecida. A principal diferença está nas vistas, de distintas regiões de Barcelona, a partir de cada torre. No quesito vistas, não há uma que se destaque sobre a outra.

Aqui no passaporteBCN indicamos a subida na torre da Fachada da Natividade, porque permite contemplar de perto a única fachada do templo desenhada inteiramente por Antoni Gaudí. A Fachada da Natividade é, junto com a cripta, a única parte do templo declarada Patrimônio Mundial da Humanidade pela UNESCO.

A cripta

cripta, Sagrada Familia, Barcelona

Leia nosso detalhado texto dedicado à cripta da Sagrada Família. Vale muito a pena conhecer, e o ingresso é gratuito!

Visita ao templo

A web oficial da Sagrada Família contém muitas informações de interesse para quem quer visitá-la.

Horários

A Sagrada Família abre todos os dias do ano.

  • de novembro até fevereiro, abre de 9:00h a 18:00h.
  • março, abre de 9:00h a 19:00h.
  • de abril até setembro, abre de 9:00h a 20:00h.
  • outubro, abre de 9:00h a 19:00h.

Nos dias 25 e 26 de dezembro e 1 e 6 de janeiro só abre de 9:00 a 14:00h.

Não deixe de confirmar aqui os horários atualizados.

Visita virtual

Só para dar mais vontade de realizar uma visita real ao templo, no site oficial da Sagrada Família é possível fazer uma visita virtual sem sair de casa.

Quanto tempo demora uma visita a Sagrada Família?

É impossível dar uma estimativa universal, sendo que diferentes pessoas, com distintos interesses e velocidades para apreciar o que cada destino pode oferecer, podem discrepar bastante no tempo dedicado a cada lugar.

No caso da Sagrada Família, uma visita acelerada não vai levar menos de uma hora (sem incluir a subida às torres). Já para quem gosta de saborear os lugares extraordinários com calma, será fácil demorar entre duas horas e três horas percorrendo cada cantinho da basílica, incluindo o interessante museu que fica no subsolo.

Ingressos

O texto como comprar ingressos para a Sagrada Família contém informação muito detalhada sobre o assunto.

Como chegar

A Sagrada Família está no distrito do Eixample. Veja aqui a localização no mapa. Existe uma estação de metrô bem do lado do templo, a Sagrada Família, na linha 5 (azul).

O acesso ao templo

acesso a Sagrada Familia
Houve uma mudança recente nos pontos de entrada e venda de ingressos para visitar a Sagrada Família. Atualmente está sendo feito assim:

  • o ponto de venda de ingressos fica no Carrer de Sardenya, onde está a Fachada da Paixão, a mais moderna, e ainda inacabada.
  • o ponto de acesso ao templo, tanto para quem comprou os ingressos na Sagrada Família, quanto para quem comprou os ingressos online antecipadamente, fica no Carrer de la Marina, onde está a Fachada da Natividade, a mais antiga. Como quem chega no acesso já tem o ingresso comprado, não costuma ter fila na entrada. Quando se formam filas, costumam ser muito rápidas, de menos de 5 minutos.

Quem comprou seus ingressos online deve ir diretamente ao ponto de entrada no Carrer de la Marina.

Código de vestimenta

Não existe nenhum código de vestimenta predeterminado para entrar na Sagrada Família. Fomos tirar essa dúvida diretamente com os funcionários que trabalham no templo: mesmo nos dias mais quentes do verão, não abuse dos shorts megacurtos nem das camisetas demasiadamente decotadas ou cavadas (do tipo que o sutiã fica todo à mostra ou que se veja toda a lateral do corpo – tanto para eles quanto para elas); nesses casos pode ser solicitado que se cubram um pouco. Na dúvida, nossa dica é se guiar pelo código de vestimenta na catedral de Barcelona.

Um encontro com o futuro

Já mencionamos que estima-se que a conclusão das obras da Sagrada Família aconteça até o 2026. Quem não puder ou quiser aguardar tanto tempo pode se deliciar com o seguinte vídeo mostrando a basílica terminada.

Alguma dúvida?

Se você tiver qualquer dúvida sobre a Sagrada Família, aproveite a caixa de comentários do presente texto para perguntar. Mas antes queremos pedir uma gentileza de você, dê uma olha nas dúvidas frequentes sobre a Sagrada Família, é muito provável que sua dúvida tenha sido respondida já no texto mencionado.

Dica do passaporte BCN

A Sagrada Familia é uma atração turística muito popular. Em 2012 recebeu mais de 3 millões de visitantes. Como resultado, é inevitável encontrar filas enormes ou falta de disponibilidade de ingressos, o que pode significar uma espera de quatro horas para entrar na basílica. Em qualquer mês do ano.

Nossa recomendação é que a compra online dos ingressos para a Sagrada Família seja feita antecipadamente. É, sem dúvida, a melhor alternativa para evitar uma dura espera nas filas.

[pinit count="horizontal"]